Edição 2015 Edição 2015

O anúncio dos vencedores do Prêmio Gilberto Velho Mídia e Drogas 2015 foi feito no segundo dia do workshop Drogas em Pauta no Rio de Janeiro. O workshop foi promovido pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC), em parceria com a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e com apoio da Open Society Foundation. O evento ocorreu nos dias 9 e 10 de novembro e reuniu cerca de 50 jornalistas e 30 estudantes de jornalismo para ouvir um elenco de oito palestrantes, reflexões sobre políticas de drogas, legislação, história, saúde, ciência, desafios da cobertura jornalística, segurança pública e mobilização comunitária no Brasil e no mundo. Veja abaixo os vencedores:

1º colocado

Leandro Maciel, Nilson Mariano, Leonardo Azevedo, Eduardo Oliveira, Rafael Ocaña e Jefferson Botega

O primeiro lugar da segunda edição do prêmio foi dos jornalistas Leandro Maciel, Nilson Mariano, Leonardo Azevedo, Eduardo Oliveira, Rafael Ocaña e Jefferson Botega, pela reportagem especial “Maconha: é hora de legalizar?”, publicada no jornal Zero Hora, no dia 8 de março de 2015. O dossiê combinou informações históricas, grande diversidade de opiniões e análises, contextualização internacional, entrevistas, artigos e editorial.

 

Leia a Matéria



2ª colocada

Rosilene Miliotti

A segunda colocada foi a jornalista Rosilene Miliotti, pela reportagem “Prazer, meu nome é Reginaldo, não cracudo”, publicada pelo jornal Maré de Notícias, em setembro de 2015. A reportagem faz parte de um projeto de aproximação com os usuários de crack do Parque Maré, contando a história de Reginaldo.


Leia a Matéria



3ª colocada

Dandara Tinoco

O terceiro lugar ficou com a jornalista Dandara Tinoco, pelas reportagens “Crack, uma outra abordagem”, “Discórdia Semeada” e “Reduzindo Danos”, publicadas pelo jornal O Globo, em fevereiro e março de 2015. A primeira reportagem fala sobre um homem que foi indiciado por tráfico após ser flagrado com 44,5 gramas de crack e da necessidade de se discutir uma política de enfrentamento menos criminalizadora. A segunda conta a história de usuários de maconha que optaram pelo cultivo caseiro e o impasse deles com a justiça. A terceira reportagem aborda a iniciativa de organizações que acolhem usuários de crack em situação de violência sem exigir delas a abstenção, auxiliando na recuperação dos usuários.


Leia a Matéria



Menções Honrosas

Maria Clara Nicolau Vieira 

Uma das menções honrosas foi para a jornalista Maria Clara Nicolau Vieira, pela reportagem “Um recomeço para os filhos do crack”, publicada na revista Crescer, na edição março de 2015. A reportagem aborda a importância de debater políticas para os filhos de dependentes químicos, retirados da guarda das mães biológicas ou – o que a matéria ressalta ser minoria — abandonados por elas.

 

Leia a Matéria

 

 

Talita Bedinelli

A outra menção honrosa ficou com a jornalista Talita Bedinelli, pela reportagem “Mais um mês e eu teria morrido”, publicada pelo jornal El País Brasil, no dia 28 de março de 2015. A reportagem é baseada na história impactante de Irineu Herreira, e aborda a partir disso o investimento federal nas comunidades terapêuticas para dependentes químicos, cujas práticas tem sido questionadas por profissionais de saúde.

 

Leia a Matéria